terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Daquele Artístico Cinismo Feminino

Se bem me lembro ele estava lá na dele, ruminando sua auto comiseração, atormentadamente em paz, se perguntando porque diabos ele estava naquela festa sendo que ele poderia estar se queixando de solidão sozinho, quando aquela garota super "cool" o tocou no ombro, e tinha uma voz típica de adolescente que acredita que tem o mundo em suas mãos: "e você não dança?".

Nessas horas não ter o dom da clarividência é uma maldição. Um envolvimento romântico e ingênuo conduziu-o a vários dias de tormento desnecessário por estar acorrentao a uma ideia, não à realidade. Porque se a realidade pudesse tomar forma teria-lhe chutado nos escrotos e dito: "aparta-te deste diabo!"

Confusão mental e mais auto depreciação foi o que ficou, e aí você teve de se reerguer sozinho, e eu aqui, vendo tudo repugnado e sentindo pena do seu comportamento patético.

Mas ei, deixa isso pra lá, estou falando de outras pessoas e não quero ficar aqui dando motivos óbvios pra chamar a atenção do ego de alguém, afinal, de que adiantam índios, poetas decadentes e pretensiosos dos anos 80, e uma arte meio que pra atrair platéia, além de um cinismo e arrogância de nunca saber dizer "me desculpe, eu errei", se não for pra, bem, pra isso mesmo, dizer "me desculpe, eu errei".

O que você pode dizer com quem conviveu contigo por tanto tempo e ainda é capaz de dizer que tem uma mente limitada? Sua mente é atormentada, claro. Você pensa em suicídio quase todos os dias, tudo bem. Você vive se remoendo aí dentro por causa de conflitos emocionais mau resolvidos, isso a gente também sabe. Você também sabe que precisa de um controle mental muito grande pra suportar tanta coisa que já te causaram até hoje, e por causa disso mesmo vive nessa ilusão de perseguição... pra falar a verdade, já que citei tudo isso, quando é que você vai se tratar hein? Do que eu estava falando mesmo?

Ah, claro. Esse cinismo em dizer que o que disse foi entendido errado, essa falácia tão de baixo nível em dizer "não fui em quem disse isso, você que entendeu assim", em que até a mente mais insólita pode se deixa levar, se resigna e vai, com a missão grotesca e imoral de se desculpar pelo que não fez, é isso o que fode o espírito do filósofo.

Então deixa eu dizer de forma bem clara: se dê ao direito de pensar por uma vez na vida que existem pessoas tão grandiosamente filhas da puta nesse mundo que elas conseguem até mesmo fazer com que a sua tristeza seja unicamente culpa sua. Vá lá amigo patético, abra seu coração e sinta raiva, porque você sabe que isso passa e que ninguém precisa te ensinar a viver, ou a ligar ventiladores, e tacar pedras e plantar flores. Todo mundo sabe a diferença entre flor e pedra: nessa vida, pedra começa com "P", de Puta!

Esse é um texto de um alter ego raivoso, alguém que também se dá o direito de se passar por outra pessoa, afinal quem tem que provar algo pra alguém é um espírito fraco e necessitado dos outros.

O que sobra é amor, mas ele fez uma pausa porque agora está profundamente magoado e tem esse direito.

Obs: Esse texto contém incoerências, mentiras, falcatruas, falha de caráter, egoísmo, narcisismo e ironias. Tudo em uma forma de pessoa só. ;)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Adeus recebido, agora me deixa ir.

Enquanto caminhava na minha estrada, não era uma adolescência tardia que eu buscava. Houve um momento em que a voz do menino se calou e passou a tentar parar de ter medo, porque todo mundo tem medo. Se não tenho psicólogos na vida, nem amigos, nem pessoas que possam estar dispostas a acompanhar a minha loucura, então de verdade, me deixa ir.

Mas não me diga que não tentei, não me diga que não amei, que não me sacrifiquei, que não tentei crescer antes do tempo, que venci meus medos individuais, que superei barreiras, que passei noites em claro pensando pro bem e pro mal, que não me doei. Mas me doeu, e por isso é que fui. Porque chegou uma hora que minhas palavras eram tipo canto de pássaro. Algumas pessoas acham bonitas, outras pessoas acham incômodas, mas no fundo, ninguém entendia. Na tentativa de ser sozinho a dois, optei por ser sozinho sozinho.

Uns tem medo de passar a vida achando que não aproveitaram o suficiente, outros tem medo de dividir sua vida com outras pessoas e acabam crescendo uns sociopatas dementes, mas todo mundo aqui tem o seu direito à sol ou sombra, e claro, água fresca.

Fui tarde, mas tentei até o último minuto. Amar em liberdade não permite incoerência, não permite ciúmes e nem insegurança. Amar em liberdade não permite medo, então se houve enclausuramento, essa gaiola foi construída a dois. O que faltou foi o que se perdeu: cumplicidade. Mas toda paixão nova e diferente começa sempre do mesmo jeito. O pior é cometer os mesmos erros.

Deixa eu ser egocêntrico porque a referência é clara.

Il sistema educativo

Ingredienti: Arancia, Fragola, Latte, Arachidi, Fagioli, Patate dolci, Ribes, Broccoli, Lattuga.

Preparazione: Masticare, spiedo e cuocere in forno.

Solo risultato atteso e ha chiesto: Vitamina da Banana

Questa è la nostra società pensare dell'educazione e della politica.


=====================================================================/
Ingredientes:

Laranja, Morango, Leite, Amendoim, Feijão, Batata Doce, Groselha, Brócolis, Alface.

Preparo:
Mastigue, cuspa e leve ao forno.

Único resultado esperado e exigido:

Vitamina de Banana

Essa é a nossa sociedade pensando em educação e política.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Reorganização Escolar

Na boca do povo, todo mundo sabe que existe uma justificativa para a depredação do sistema educacional que, na minhas observações, já caiu por terra faz anos, de tão óbvia:

"Os políticos não querem uma educação de qualidade porque é mais fácil de manipular a população."

E essa frase, que poderia ser um símbolo de despertar da consciência, que eu já escutei em tantos lugares e vindo de tantas classes de pessoas e trabalhadores diferentes que já se tornou quase um provérbio, me faz pensar: se temos a consciência de que a educação é a chave para a não manipulação, porque nos deixamos manipular então? Se temos a consciência de que precisamos de uma educação de qualidade, então porque não vamos em busca dela? E digo isso tomando como ponto de partida a atitude mais simples de todas: estudar. Se sabemos que é necessária uma busca constante pelo conhecimento, então porque permanecemos inertes à vida, apenas recebendo o produto mal elaborado da indústria cultural, sem que por alguns minutos, possamos desenvolver nossas defesas contra ele, e travar um caminho mais livre, independente? Por que relutamos tanto em saber?

E isso, o saber, pode significar inúmeras atitudes diferentes, que foram discutidas, pensadas e repensadas ao longo desses 30 anos de sociedade dita livre, que vivemos desde 1984. Ao mesmo tempo, eu não consigo deixar de me incomodar com a postura dos cidadãos em geral. As pessoas não parecem querer uma educação de qualidade, mas um messias que as salvem da ignorância. E essa ignorância me parece ser muito mais uma insistência pessoal do que uma falta de acesso a alguma coisa, levando em conta que vivemos na era da internet.

Se você por um acaso não tem paciência ou disposição para assistir a uma aula de 50 minutos, acessar o youtube em busca de informação diferente, ler um livro diferente, parar para escutar uma música diferente, então você não precisa de um sistema de educação melhor, você precisa mesmo é rever os seus valores e necessidades como ser humano.

E não vejo a depredação escolar tendo como fim a manipulação política, essa representação que está aí que mais parece um circo de horrores. Entendo que esta finalidade está muito distante já, anos atrás. Hoje a coisa tem a ver com outro aspecto da sociedade que insistimos em ignorar: consumo alienado e desenfreado.

A má educação nos torna consumidores idiotas, e essa é a nova finalidade da má educação, porque os políticos que você tanto odeia e ataca podem ser os mesmos fornecedores das bugigangas que você tanto ama e defende.

Então eu venho pensando em uma proposta de uma forma de educação que seja, de fato, totalmente independente. Que ela seja livre totalmente de qualquer expectativa que a sociedade imponha sobre ela, isenta dessa ideia consagrada "de educar pra ser alguém na vida", porque você já é alguém na vida antes mesmo de ir para a escola. Precisamos de uma escola que valorize o ócio, porque diferente do que acreditam, a mente vazia não é oficina do diabo, é oficina do artista, ou aquele que é dono de si e dos seus próprios caminhos.

Antes de uma reorganização escolar, ou de uma crítica à reorganização escolar, precisamos mesmo é de uma reorganização humana, social, intelectual e espiritual. Precisamos de um minuto de silêncio conosco. E digo isto sem o menor prazer dos revolucionários que sonham pela maioria. Digo isto por mim mesmo.

Mais sobre isso eu recomendo a leitura dos textos de Theodor Adorno, Max Horkheimer e Zigmunt Bauman.

Unbroken

Unbroken

The girl
The little princess, safe in her tower of love
How many sets of ears does she glove?
Her shilly-shally smile towards life
But her own hero she carried off

Cape flying, she sees, with the drift,
The man she gazes, for all eternity, amazes.

The man
Impavid eyes chasing dreams beyound
The horizon is just a line
But what happens when the hero begans to fade
while the human within starts to cave?

The greatest mountain can be hollow inside
And fall into dust when the earth shakes
Even if the shake is a farewell look
A stare of goodbye
There is, for sometime
No ground, no sky
But even so, mountain born, mountain go by.