sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Uma brisa fresca me bate no rosto
Isso nada quer dizer
Mas lá longe um pedacinho amarelo pinta o céu
Um lenço de adeus se abanando
E essa brisa fresca me traz um perfume
Não de flores, mas de fêmea
Com um toque suave das lembranças mais intensas
O nome daquele barco que vai te levando
Saudade

Divaga o pensamento nas cores da cidade

E uma forma se reforma
Entre as cores da mureta e as nuvens do céu
Formando voluntário um rosto delicado
O nome desta obra
Saudade


Nenhum comentário: