terça-feira, 17 de junho de 2014

Unerreichbar

Alcançaríamos mil luas diferentes
Contaríamos as estrelas
Entenderíamos a vida e a morte
Como se fossem algo normal
E subiríamos na vida
E entenderíamos isso também
E cairíamos, sem nos lamentar.

Mas de repente, na estabilidade
Na ordem de toda situação
Sempre, de repente
Num piscar de olhos
Quando o coração se aflige
E chora, e pede por paz

Num farol de trânsito que seja isso
Na distração de todo o nosso sofrimento
E atravessa, incauto, indeciso.
Meu olhar apenas
E tudo muda
Tudo se transforma
Tudo se constrói, e tudo se destrói.

Nas doces primeiras horas da manhã
A brancura suave é tudo o que domina esta mente.
O dia é bom
O dia é ruim

O dia é uma tortura do não poder.

Quando estamos sempre conscientes que é esse momento
Como somos mortais.

Nenhum comentário: