sábado, 25 de maio de 2013

Envelhece a Cidade

Frio, muito frio nas ruas
Um cinza e um laranja amarelado mancham o chão
Frio, muito frio e ninguém.
Mas algumas pessoa vagueiam

Motocicletas passam errantes
Frio muito frio.

Lastro de pensamento
Quem me beija quem me quer
Beija me mal me quem
Mas não era nada enfim.

Errante como uma condenação
Segue mais pesado que tudo
Mais pesado que a mão
Mais frio que o coração.

Frio e suor e um cheiro humano
Tentaram-te um abraço
Um perfume novo e temporário
E aquele sorriso piedoso
O coração até se aquece, mas passa.
Motocicletas passam errantes.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Espírito do Tempo

Dorme meu filho, dorme
O jornal está sobre a mesa
E sobre o banco
E sobre a casa
Sobre o chão da rua
Sobre a feira livre
Sobre a avenida dos partidos de esquerda
E sobre as mansões dos indiferentes.

Nuvem, penumbra cinza, cheiro de queimado
Esta é a imagem.

Mordo uma maçã, sinto gosto de batatas

Mãos sobre a mesa
Pode ser a casa do meu bem
Ou a casa dos meus pais
Pode ser o céu ou o inferno
Tanto faz.

Ao chegar em casa, uma poça de sangue jazia anônima:
- Limpe os pés antes de entrar!

Morre-se de sede
Mas ninguém volta atrás,
Ninguém volta atrás.
Ninguém volta.

sábado, 4 de maio de 2013

Legião Urbana: Somos Tão Jovens

Acabei de assistir ao filme Somos tão Jovens, que retrata a adolescência do falecido cantor Renato Russo e o embrião da Legião Urbana. Nunca fui um fã de Legião Urbana. Gosto da música, gosto do Renato e da importância que ele teve, mas não sinto isso na mesma escala em que a maioria de seus verdadeiros fãs o sentem, por isso me sinto meio a salvo pra falar bem dele, já que nunca fui fanático pelo cara, apenas um admirador distante.

Em se tratando de música, Legião sempre é um assunto polêmico. Muitas pessoas não conseguem compreender a razão do impacto do grupo na música brasileira, provavelmente porque não conhece. Aliás, desconhecimento geralmente leva à incompreensão, e logo, a preconceitos. Há pessoas que realmente acreditam que se trata de uma insistência de emplacar uma coisa por falta de coisa melhor, mas eu penso que Legião Urbana, para sua época, foi uma banda necessária, e o legado e importância bandas não poderiam ser manchados ou esquecidos, em outras palavras, gostem ou não as pessoas, Legião Urbana e o seu líder já fazem parte da história da música brasileira.

Renato Russo falou sobre a vida, e para entender o que ele diz, é preciso vivê-la organicamente, e não plasticamente, nessa era do silício.

Sobre essa banda já escutei um monte de idiotices, porque as pessoas se prendem a fantasmas e estereótipos midiáticos. Mas quando eu ouvi o cara falando, a voz verdadeira do Renato Russo, saindo através dele mesmo, dá pra perceber porque ele foi um dos últimos músicos realmente íntegros daquela época.

Quando se trata de arte, é preciso despir-se para sacar o que o artista quer. Renato não era um músico exímio, mas é inegável que sua voz era belíssima e que sua poesia era perturbadora para a emoção. Enquanto todo mundo falava da grandiosidade de um mundo que esperava dar certo através de  determinadas ideologias, Renato Russo falou do medo de se viver num mundo tão perturbado e insano como o nosso.

Mas seu legado ainda é manchado por causa de moralismos pífios ou desconhecimento da obra.

Falando do filme, achei que ele demora um pouco pra começar a acontecer. A introdução do filme pode cansar os mais imapacientes, mas o restante é praticamente tudo o que já ouvi falar sobre ele: um adolescente sensível ao extremo, muito culto, muito diferenciado e espontâneo, e que acima de tudo sonhava com o seu sucesso como músico e poeta. A interpretação de Thiago Mendonça foi impecável. Ele captou com tanta sutileza os trejeitos do Renato que você simpatiza quase instantaneamente assim que  o personagem começa a se mostrar mais. Ainda acredito que foi uma sacada do diretor em entender o quão medíocre o povo hoje é em conceitos, por isso maneirou no que quer se tratasse em relação à drogas ou homossexualidade.

E como comentário pessoal, poxa vida, os caras escolheram como título um verso da minha música favorita da banda.

Numa era em que a ignorância tornou-se algo endêmico, onde as pessoas acreditam e se deixam levar pelas mais diversas desinformações, onde as pessoas vivem suas vidas apenas através de suas opiniões limitadas em redes sociais, esse filme é nostálgico e emocionante, que traz de volta uma juventude de fato forte e tranformadora, que no mínimo de suas atitudes, não se impedia de sonhar com um mundo diferente e melhor para todos.

O jovem que apenas tecla, que não faz ideia do que é uma vida fora desse vício doentio de ser bem sucedido numa corporação invisível, pra satisfazer essa necessidade estúpida de consumo, esse filme fará pouca sombra em seus corações.

Renato Russo, foi como se você nunca tivesse saído daqui. Seus fãs e apreciadores agradecem.

O Poeta que Dorme

Arranca de mim o mais difícil
Os versos mais simples.

Olhos, um rio que leva
Um rio que rói.
Nesse sempre tem peixe bom
Peixe vivo.

Pode mesmo?
O peixe vivo viver fora d'água fria?

Poema de Três Acordes

Desperta o som antes do dia
Desperta a rainha.

O cheiro vai andando pela casa
Café fresco e pão fresco
Dia duro
Os sonhos vão ficando no travesseiro
E uma força insistente espera, ao lado da cama.

Dia duro
Tristeza... fica do lado de fora.

Migração

Caminhando
Ando
E ando.

Tanta flor diferente
Tanto jardim igual

Vê-se de todo muro
Vê-se de toda cor
O mesmo suspiro velho
E o mesmo ônibus cheio
A mesma garagem o mesmo quintal.

Pôrdosol
Igual em todo lugar
Diferente em todo olhar
O olhar voa...
Ê saudade...