quinta-feira, 12 de julho de 2012

Poema Cômico da Tragédia Alheia


Oh terras que nunca vi
O sangue dos chãos das guerras passadas
Cujos clamores sequer sei dos sons
Direi aqui coisas sem coração
E perdoem-me os bons pela pretensão
Serei pretenso como o poeta que inventa memórias

De todas as ninfas que me inspiram
A minha chama-se ambição
E tal como oportuno caso
Faz com que o verso seja vogue

Dom Quixote na cama esperando ser
Embutas-me à mente uma sinceridade lunática.
O doente se vê normal
Não crendo em sua anormalidade fanática.

Oh nordeste tão maltratado
Oh sina de uma coisa que não compreendo
Por que sofre aquela gente
Com quem nunca tive contato?
Por que as injúrias das pessoas
Que padecem de fome e sede
cujos detritos o cheiro não faço ideia
Porém me empardecem nos discursos das paideias?

Oh as pessoas que sofrem
Oh as crianças que morrem
Oh as pessoas que fazem oh
Sem valia, sem compreensão, sem nada para dizer!
Oh!

Oh Deus dos sentimentos vagos
De importância pálida e pouco consentida
Porém de necessidade humana intelectual
A que a ninfa entede pouco ou mal
Mas que a fama me fará dela bom serviçal!

Touch Screen

Era uma aura de inconsciência
A sublime demência da manhã

Mas como demoramos na lágrima!
E como permanecemos no riso!
Chorei por demais para me manter preso em mim mesmo
Oh libertação, padece na demência da fermentação.

Genericamente eu posso escutar rangidos
E a respiração frenética, enlouquecida de homens e mulheres.
Escuta esse som, essa voz metálica:

(.... .... ....)

Um homem faz sexo com um telefone
Para caminhar livre sob as mentiras de suas verdades
Na era das máscaras nossa nova máscara:

- Da era de Otavio Augusto e Ying Jien, ressurjo do túmulo!
A palavra.

Young Romance True Love!
Tudo colorido demais
Viva o ecstase do cinza
E a dormência da cor interna.

O futuro está diante de nossos pés
Portanto olhemos para trás

Quantos de nós olhamos para trás?
Os que estão à beira do fim.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Frase XXXVII

Aviso aos crescentes: Vinte e seis é um número, ano é uma medida de tempo... sou um corpo e uma mente, ora jovens, ora velhos. Maturidade não é medir o que se diz, mas ser responsável pelo que se diz.

Frase XXXVI

Todo século tem o seu mal. Do ponto de vista da medicina o mal do século é a depressão. Do ponto de vista literário o mal do século é o best-seller. Do ponto de vista social e político o mal do século é o jornalismo.

Frase XXXV

O homem ensimesmado adoece e começa a se isolar desenvolvendo alguma patologia social. Quando a doença e o isolamento estão num estágio elevado ele começa a escrever livros.

Frase XXXIV

Como ficou jovem o mundo conforme envelheceu
Quem nos ensinará a caminhar adiante?

Frase XXXIII

Na minha cabeça eu sou o melhor dos poetas. Minha cabeça é o melhor mundo do mundo.

Salve Geral

As paredes não são feitas de tochas

Cento e quarenta mortos na capital
Por tiros do corpo policial
Cento e quarenta mortos na capital

Mas as crianças correm pela rua
Tanto faz o menino deitado no chão:

- Olha, é lua cheia!
- É lua cheia!