quinta-feira, 5 de maio de 2011

Memória

Caiu o panelário ao chão
Fez um barulho estrondoso
Que deixou os deuses com ciúmes.

Mil homens correram para lá
Pisoteando trapos
De outros mil homens
Cuja glória inventada
Resumiu-se a um resto de poeira
Bem decorado na minha memória.

Sozinho não existimos.

Nos jornais
Na tevê
Nas redes
O silêncio.

Nenhum comentário: