quinta-feira, 3 de março de 2011

Crepúsculo

Ai, as minhas dores íntimas
Que enlouquecidas berram aqui dentro
Pois lá longe já anuncia o Astro
Que seu posto por hoje já está feito!

E de tantas coisas perturbantes
Não há nada que seja tão constante
Que o anúncio do crepúsculo
Para o martírio dos malditos solitários!

E este céu vermelho roxo e azulado
Cuja cor duvida as minhas seguranças
E prossegue nessa rubra e fria perdição
Como o ar seco que nos sobre na garganta.

E vindo junto com a triste escuridão sombria
Um coral, um cântico, um murmúrio
De vozes ressonâncias do silêncio
De sofrer por um só o que ninguém sofria!

Nenhum comentário: