sexta-feira, 19 de março de 2010

Amálgama Gama

Faça uma pausa de um minuto
Faça uma pausa de um minuto
Faça uma pausa de um minuto

Eu não te vejo
Eu não te cheiro
Eu não te vejo
Eu não te tenho

Eu tenho mil olhos
Eu falo em mil vozes
Exalo dez mil cheiros
Eu sou tudo

Eu sou nada
Eu não sou ninguém

Eu vejo mil olhos
Eu ouço mil vozes
Eu sinto mil cheiros
Eu tenho tudo
Não tenho nada
Não tenho ninguém

Faça uma pausa de um minuto
Escute o som anacoluto

Faça uma pausa de um minuto.

Eu corro devagar
E devagar eu sigo todo mundo
E todo mundo vai
E ninguém chega
Nem chegar
E ninguém chaga
Ninguém jogar

Faça uma pausa de um minuto

Escute a voz do absoluto
Faça uma pausa de um minuto

Eu tenho mil olhos
Eu tenho mil vozes
Eu tenho mil cheiros
Eu sou vítima do desejo
Eu sou o crime do ensejo
Eu não tenho nada
Eu tenho tudo
Eu desço o degrau
Eu subo a escada.

Eu paro e vejo a estrada
E sigo.

Eu sigo todo mundo
Eu vejo todo mundo
E não vejo ninguém
Eu sou atravessado
Pelo vassalo dos olhares
Eu avassalo em mil andares
Eu encalho e sinto cheiros
Eu tenho tudo
Não tenho nada
Não tenho ninguém

Eu sou tudo
Eu não sou nada
Eu não sou ninguém.

Eu quero
Me atém
Eu espero
Me aquém
Eu vou
Você vem
Eu fico
Você vai
Eu vôo
Você olha
Eu olho
Você chora
Eu choro
Você cora
Eu coro
Você adora
Eu amo
Você ama
Eu chamo
Você chama
Suor a dois.
Amálgama gama.

Eu vejo
Ensejo
Desejo
Aquém
Ninguém.

Nenhum comentário: