terça-feira, 3 de novembro de 2009

O Lago Interior Não Pode Secar


Ah caros amigos e raros companheiros!

Não calemos a nossa voz interior. Não depositemos o nosso brio no túmulo! Caros e Raros, sigam-me pela eternidade dos sonhos impossíveis! Oh jovens mentes, que nunca padecem, mas ora cansam e ora se enchem de alegria. Nós temos um inimigo em comum, um adversário em formato de idéia, completamente violenta. Essa idéia despeja mentiras como quem despeja água limpa a prestações baratas.

O fim do ano me trouxe fadiga, mas por ora também traz renovação. O que raios é o fim do ano? Uma idéia apenas! Teria mais vida se pudessem todos os fins dos meses serem fins de ano!

Eu acredito no efeito que a incompreensão causa, a de que uma verdade creditada por uma única pessoa vira loucura ou impossibilidade, e que uma mentira dita muitas vezes por mais de uma voz, acaba virando verdade. Pois é assim que aos poucos os valores se destituem.

Por que vê tanto negativismo nessa vida esse garoto tão jovem? - perguntam a mim. Que me abandone agora todo aquele que me vestiu nesse rótulo maldito! Onde há negativismo numa pessoa que clama pela vida? Onde há negativismo numa pessoa que se desfaz do irreal e do ilusório todos os dias de sua vida?

Quebro as cascas e me deito sobre o chão áspero de um mundo congelado. Mas eu sou a luz e o calor!

Não caros amigos, e raros companheiros, não permitam jamais que a loucura que nos vestem pareça fruto de um pensamento negativo. Ao invés disso, quando a voz for abafada pelo grito da multidão, sussurrem. Abaixarão os ouvidos para escutar o que tanto querem dizer. E quando o silêncio reinar, gritem novamente.

Eu vejo um mundo infestado de leitos e de pessoas que tem medo de curar as suas feridas. A segurança e a certeza são os maiores disfarces para as pessoas que nunca admitem que não sabem o que querem. Mas sim, sou seguro! Estarei seguro e olharei firme para o futuro, cheio de segurança. Não, ninguém é seguro de nada, apenas seguros são de suas incertezas!

Caem as máscaras e se estilhaçam pelo assoalho. Eu piso em um dos fragmentos e atiro para os dejetos da renovação.

Não se intimidem. O nosso meio de vida é apenas o meio, mas a finalidade, raros e caros, é algo ainda maior! Lutemos pela nossa finalidade, e mandemos os nossos meios para os meios diabos!

Este texto não será lido por todos, mas foi escrito para todos.

Nenhum comentário: