quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Clamor

Vem, vem ó querida
Vem, atende meu clamor esperançoso
Vem enquanto minha alma
Transborda de tristeza.
Vem me dar essa paz
Joga-me na clareza.

Vem, vem ó querida
Vem, atende meu clamor esperançoso
Vem me derrubar ao sono eterno
Deixa-me torpe, emudecida.
Cure as minhas cansadas feridas
Ó desejada da minha vida

Esta noite que cai uma escuridão profunda
Eu te desajaria aqui ao meu lado
Deitada, em minhas organdis celestes
Feliz eu seria se tu me destes.

Vem, vem ó querida
Vem, atende meu clamor desesperado
Transborda minha alma de alegria
Enquanto a tristeza ainda deita-se ao meu lado
Salva-me desse infeliz drama.

Nenhum comentário: